10723276_1502968919961124_1615509620_n

A Escola Estadual Teônia Amaral realizará no próximo dia 22 de novembro a festa do ex-aluno, confira abaixo todos os detalhes:

FESTA DO EX-ALUNO – ANO 2014
ESCOLA ESTADUAL TEÔNIA AMARAL

CONTRIBUIÇÃO PARA PARTICIPAÇÃO NO EVENTO

• Ex-alunos homenageados concluintes em 1980, 1981 e 1982:
Valor: R$ 50,00 (Com direito a uma camiseta do evento, comenda, feijoada, música ao vivo e muita diversão).

• Acompanhante: R$ 10,00 (Obs.: Não recebe camiseta, mas terá direito a todas as regalias do evento).

• Ex-alunos da escola concluintes em outros anos.
Valor: R$ 30,00 (Com direito a camiseta e todas as regalias do evento, menos a comenda).

• Acompanhante: R$ 10,00 (Não recebe camiseta, mas terá direito a todas as regalias do evento).

• Ex-funcionários e funcionários: R$ 30,00 (Com direito a camiseta e todas as regalias do evento, menos a comenda).

ATENÇÃO!

Quem desejar participar deverá confirmação no máximo até o dia 08 de novembro, através dos telefones abaixo relacionados ou na direção da Escola Teônia Amaral. Pois precisamos encomendar as camisetas.

(84) 9955-7380 / (84) 9613-6246 / (84) 9629-5012 ou pelo Telefone Fixo: 3435-2629

Para quem reside em outra cidade após confirmar participação, o pagamento poderá ser efetuado através de depósito bancário:

Banco do Brasil
Agência: 2066-4
Conta: 5.489-5
Franscisco das Chagas Guedes de Azevêdo.

Postagem:Domingos Toscano

“Há muito mais encantos entre a Cruz da Capela de Zé Leão e o Santuário das Graças do que supõe a nossa vã Teologia”.

DSCN7483

O município de Florânia/RN, na última sexta-feira dia 19/09/2014, ganhou notoriedade no mundo da inclusão através do lançamento do 1º Vídeo Turístico de Florânia/RN em LIBRAS – Língua Brasileira de Sinais.

IMG_9472

FLORÂNIA…SEU DESTINO É O MEU LUGAR, é um projeto pedagógico da Escola Estadual Teônia Amaral, criado pelo professor Junior Galdino no ano de 2008. Neste ano o projeto voltou ao cenário escolar local, com uma nova roupagem, trazendo uma produção em audiovisual voltada para o público com deficiência auditiva.

IMG_9474

A ideia surgiu após o professor Junior Galdino assistir, na internet, a um pequeno vídeo de sua aluna Júlia Rafaela, que é atendida na Sala de Recurso Multifuncional. Nesse vídeo ela convida seus amigos a conhecerem o lugar em que mora. Então “a luz se fez”!

IMG_9491

Foram quatro meses de produção. Trabalho árduo, porém de grande importância para o turismo local e comunidade escolar.

IMG_9484IMG_9475IMG_9480

O lançamento aconteceu na telessala da escola Teônia Amaral que estava lotada. Alunos, professores, direção escolar, representantes do poder público, agentes de cultura e futuros turismólogos marcaram presença nessa noite tão especial.

IMG_9498

Fica aqui registrado o agradecimento do professor Junior Galdino a todos que participaram direta e indiretamente para o sucesso desse valioso projeto, como também aos amigos internautas que estão assistindo, curtindo, comentando e compartilhando o vídeo nas redes sociais.

IMG_9496

Por Junior Galdino

photo20130520213839

José Manuíno

Depois de aprestarmos uma caracterização de Zé Manuíno e Maria do “Espim” durante uma gincana cultural na Escola Teônia Amaral foram várias as pessoas querendo saber um pouco mais do universo dessas pessoas que habitaram e ainda habitam o imaginário popular de nossa Região e em especifico a cidade de Florânia/RN.

10577034_813591008661294_8165697249457285404_n

Foto feita durante a Gincana cultural da Escola Teônia Amaral, onde os alunos caracterizaram Zé Manuíno(Interpretado pelo aluno do Curso Normal Paulinho) e Maria “Espin”( interpretada pela aluna do Curso Normal Geone)

Pesquisando em alguns blogs da região encontrei sobre Zé Manuíno e Benedito Acelera, quanto a Maria do “Espim” ou Maria do “Seio” ainda não tenho uma pesquisa mais detalhada, quem sabe em breve ou se  algum leitor possa nos ajudar.

A foto trazida hoje ao fotoblog retrata uma das figuras mais temidas pelas gerações crescidas em Acari dos meados dos anos sessenta, até os anos do meio dos oitenta do século passado, vinte anos de temores e cobertas nos olhos antes do sono chegar para muita gente hoje contando mais de quatro décadas.
Andei muito em busca de uma foto desse homem. Achei de encontrá-la do perfil do Facebook de Antão Lopes, o Lopinho ex-vereador em Acari.
Junto com a foto Lopinho escreveu o texto que copio abaixo na íntegra:

Como estamos em comemoração a Semana Nacional do Museu, faço aqui um pequeno relato de um cidadão que conheci ma minha infância, este cidadão Cruzetense que tinha Acari também como referência de sua convivência, quantas vezes ele passava na casa onde nós morávamos lá no Campo de Aviação, ele repousava durante o dia, enchia a pança pois ele era um grande comedor, podia botar comida numa terrina grande que ele não deixava nada, e a noite ele pernoitava pra no outro dia depois do café da manhã seguir viagem com seus grandes matulões, este homem era e é na foto JOSÉ MANUINO, mais conhecido por ZÉ BURRALHEIRO.

Aqui eu pego novamente na pena eletrônica para escrever. JOSÉ MANUÍNO, também conhecido por Zé Burralheiro, e até por Zé Burrão, ganhou fama de malvado pelas cidades por onde passava. Não por ser homem de má índole, uma vez, coitado, que era andarilho e, na verdade, sofria de certa limitação nas ideias.
Os pais daquele tempo, certamente, sem conhecimento algum de psicologia infantil, davam de pôr temor em seus filhos fazendo alusão ao “Homem do Saco” como sendo José Manuíno. Pelo menos eu creio nessa variável.
Em Acari, além do Campo de Aviação, e conforme relatos de outros internautas no Facebook, parece que gostava de andar pelo campo, indo dos Angicos a outros sítios, comendo feito uma fera (sua fama mais lembrada) e assombrando a criançada por onde passava.
Na postagem de Lopinho reivindicaram sua permanência na cidade em vários lugares: por trás da casa de Tia Suzana do Leite, hospedado pelos pais de Do Céu de Gabriel da Bodega e por trás do antigo matador, sob a proteção dos sogros de Lopinho.
Eu mesmo me lembro dele “hospedado” na área de Pacanã, comendo numa enorme bacia e conversando amistosamente com Dona Neve. Eu segurando na mão dela.
De todas as coisas que vi publicadas sobre Acari no Facebook, mesmo com todo fervor da política passada, debaixo da minha atenção a mais compartilhada foi essa foto de Zé Burrão. Até agora (21:30hs – 20/05/2013) já se vão exatamente 294 reproduções. Isso demonstra bem o mito que se fez do homem.
Muito se falou sobre o homem. De sua lendária fome e capacidade de comer (dizem que seu Guttemberg mandou que cozinhassem um carneiro inteiro, comido por Zé Burrão em quatro horas), da sua força descomunal, dos seus sacos cheios ninguém sabia do quê. De sua voz de trovão… Apareceu até um parente, primo em terceiro grau. O que ninguém falou nos comentários facebookianos foi sobre qual o apelido que José Manuíno odiava. Aquele que o tirava do sério, fazendo-o transformar-se do louco manso para o atirador de pedras.
Hoje, depois do almoço, encontrei por acaso com a Lady Auridete e seu irmão Zé Aurino, ambos ainda de Dona Licota.
Num café do Midway Mall fomos relembrando figuras do nosso Acari, quando citei o achado de Lopinho. Zé Aurino, quase deu um pulo da cadeira. Gritou chamando a atenção de todo o ambiente:
- Tapuru de Imprensa?!
Sim, era esse o apelido que fazia José Manuíno, o Zé Burralheiro, ou Zé Burrão, virar a fera que a sua fama levava às crianças. TAPURU DE IMPRENSA.
Vibrei muito com Zé Aurino, feito dois meninos comemorando uma arte. Olhos desconhecidos mirando a gente.

Benedito “Acelera” ou Acelera Benedito

photo20130524140207

O que sei sobre Benedito, de ouvir falar.
Bendito chegou por Acari nos idos de novecentos e vinte, vindo ninguém sabe de onde. Por aqui foi ficando.
Homem forte no físico, fraco das ideias. Enlouquecia ainda mais se alguém aglutinava ao seu nome a expressão “acelera”. Sua conduta calma e amistosa perdia todos os pudores, a rua ganhava todos os palavrões.
Quando não recebia o insulto ele era sujeito tranquilo, paciente e de bom relacionamento social.
Sempre vestido de paletó preto ou azul marinho, presente de alguém, usava tal vestimenta de uma forma singular: mangas arregaçadas, as pernas da calça dobradas no meio das canelas, sem sapatos. Calçava chinelas de couro e pronto!
E por que do apelido?
Benedito tinha um costume de, quando ia andando, repentinamente, dar tipo uma reduzida e acelerar os passos em seguida. Dizem que levantava poeira.
Sem profissão definida, vivia de fazer mandados e, quase sempre, seus préstimos eram requisitados pela força bruta que possuía. 
Em um tempo de poucos carros e muita gente esperta, era comum que se aproveitassem dele e da sua índole infantil contrastando com o corpanzil. Era pura inocência também.
Um dia, por sua enorme força, foi contratado para levar um bilhar até Jardim do Seridó. Embora não soubesse muito bem reconhecer dinheiro, saiu de Acari pela madrugada com o bilhar na cabeça para vencer a distância separando as duas cidades. Fazia aquilo muito mais para cumprir sua palavra.
Em Jardim chegou por volta do meio dia, suado e com muita sede. Desde a entrada da cidade passara a ser seguido por algumas pessoas impressionadas com a sua força. Na praça central abaixou a mesa de jogo. Colheu informações sobre o novo dono, marchou para entregar o produto do frete e, por fim, receber por seu esforçado trabalho.
- Nã! – exclamou o proprietário do móvel. – Eu não acertei para pagar o frete de jeito nenhum. Paguei o bilhar em dinheiro e o frete era por conta dele – reclamou.
Benedito não argumentou, nem repetiu o seu preço, tampouco encompridou conversa. Jogou o bilhar de volta na cabeça e retornou para Acari, onde chegou por volta da hora de Maria.
Detalhe: o peso médio de um bilhar com pano sobre pedra, daqueles antigos feitos em madeira de lei, era na faixa de cento e cinquenta quilos.
Coisas do Acari do meu amor, dos seus mitos, minha gente mais que querida.
Benedito faleceu ali pelas eras de sessenta do século passado. Se deixou saudades, eu não sei. Mas deixou suas histórias se confundindo com a da nossa terra amada.
De Benedito “Acelera” eu ando no rastro de uma foto.

Falei acima de dois patrimônios humanos da nossa história.
Voltarei com outro, daqui a alguns dias. Joaquim. Joaquim Vara Verde para ser mais claro.
Alguém aí ainda se lembra dele?

20/05/2013 Publicada por Jesus de Rita de Miúdo.

Retirado do blog http://acaridomeuamor.nafoto.net/photo20130520213839.html

Pesquisa e postagem: Domingos Toscano. Contato domingosgeo@hotmail.com